Tião Nascimento

"Por que a poesia é  o canto da alma"

Textos

FÊNIX

                                

Senti-me  tão pequeno batendo a sua porta
Implorando um amor que já não tinha sentido
O que  lhe oferecia – pensava-  não  importa
Não passo sequer da altura do seu  umbigo..

Quando cheguei  já era tão tarde, mas ainda viril,
Falei-lhe de um amor que soou caduco
Pensei que veria em mim em velho senil
Ou me  julgasse , pela idade, um inútil, eunuco.

E quando eu  imaginava uma atenção passageira
Falou-me de  um amor  verdadeiro, sem barreira,
E me quis assim, com meus cabelos brancos.

E  falou-me deste amor com tanta doçura
Como se eu ainda estivesse na sua altura
No esplendor da juventude, nesse encanto.
TiaoNascimento
Enviado por TiaoNascimento em 31/05/2009


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras