Tião Nascimento

"Por que a poesia é  o canto da alma"

Textos

EXTREMO PEDIDO
EXTREMO PEDIDO


Nâo me deixem sob o deleite dos que me detestam
Nem sob o olhar de dor dos meus amigos.
Que seja a morte mais  um ato  no teatro da vida;
Que seja breve  o caminho para  o jazigo.

Não preciso de horas exposto aos  olhos
Dos que sempre me quiseram assim.
Não estarei  nem mais nem menos morto
Sob o olhar dos que gostam  ou não gosta de  mim.

Aos amigos, os verdadeiros, poucos,
Poupa-lhes  a dor da despedida  longa,
Olhando  um corpo que não os vê nem os sente.

Eles sabem que  minha  essência, a vida,
Viaja livre, como o vento, pelo universo,
E, Somente esse corpo, ao mundo,  me prende.
TiaoNascimento
Enviado por TiaoNascimento em 21/11/2017


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras